Um servidor público de 32 anos aplicou um contragolpe no WhatsApp depois de receber pedidos de transferência de dinheiro por mensagem de texto e decidir enganar o golpista — que, na esperança de ganhos mais altos, chegou a depositar R$ 228 na conta de quem achava ser uma potencial vítima.

 Nicolas* (nome fictício) mora em Brasília e recebeu um pedido de ajuda financeiro enviado pelo número de um amigo de São Paulo, no final de 2021. Mas, já avisado do uso indevido do telefone, passou a engajar com o emissor da mensagem e resolveu contra-atacar.